11 de junho de 2012

Garotas de Vidro [Resenha #054]

Garotas de Vidro

 

 

 

 

Sinopse: “Lia e Cassie são amigas há anos, ambas congeladas em seus corpos. No entanto, em uma manhã, Lia acorda com a notícia de que Cassie está morta, e as circunstâncias de sua morte ainda são um mistério. Não bastasse isso, Cassie tentara falar com Lia momentos antes, para pedir ajuda. Lia tem de lidar com o pai, que é um renomado escritor, sua madrasta e a mãe, uma cardiologista que vive ocupada, salvando a vida dos outros. Contudo, seu maior tormento é a voz dentro de si mesma, que não a deixa se esquecer de manter o controle, continuar forte e perder mais, sempre perder mais, e pesar menos. Bem menos.”

Garotas de Vidro foi um livro surpreendente. Na primeira vez que o vi imaginei que seria mais um livro de fantasia com seres mágicos e muito romance e aventura. Não podia estar mais errado. Este livro é tudo menos um passeio no parque. Suas páginas trazem passagens densas, carregadas de uma emoção que por muitas vezes é aflitiva para quem lê. Por isso ele é tão bom.

A sociedade em que vivemos cultua a imagem: quanto mais alto, magro, com pele de pêssego, sorriso de marfim e cabelos impecáveis você tiver, você estará no topo da cadeia alimentar, e, como bônus, poderá olhar para os simples mortais com a melhor cara de desprezo que conseguir. O problema é o que você tem que fazer para alcançar o “topo” e permanecer por lá.

Pelo que andei pesquisando após terminar o livro, “A grande maioria - mais de 90% - daqueles que sofrem de transtornos alimentares são mulheres adolescentes e jovens. Uma das razões pelas quais mulheres dessa faixa etária são mais vulneráveis a esses transtornos é a tendência de fazerem regimes rigorosos para obterem a silhueta "ideal" [Fonte] , com grifo meu. Mas não acredito que seja tão simples. Estes transtornos estão intimamente ligados com questões de cunho psicológico, sendo mais propensos a eles indivíduos com “Certos traços de personalidade (Baixa auto-estima, Introversão, Perfeccionismo (Anorexia), Impulsividade (Bulimia), Instabilidade afetiva, evitativo, ansioso (TCAP)...)” [Fonte].

Não entendo bem do assunto então vou parar por aqui. Pesquisando na internet pode-se encontrar uma infinidade de trabalhos sobre, mas o foco aqui deve ser o livro.

Nele, Lia, a protagonista, sofre de distúrbios alimentares e mora com o pai por não se dar bem com a mãe. Na verdade, ela opta por morar com o pai por ele estar sempre distante – assim como a mãe – e ser mais fácil de ludibriar. Lia distorce a realidade de acordo com as “necessidades” impostas por sua doença: se alguém faz cobranças quanto  a aquilo que ela come ou sobre quanto está pesando, por exemplo, ela passa a detestar a pessoa. Talvez o maior traço de Lia seja sua faceta manipuladora: com o tempo, ela aprende até mesmo o que pode ou não contar para sua psicóloga.

Após uma temporada em uma clínica para pacientes com distúrbios alimentares, ela se compromete com o pai a se esforçar para ter uma vida normal, mas o faz apenas para se manter longe da mãe, que a fiscaliza – em relação ao problema – de forma mais efetiva que ele. Porém não é tão simples: em uma das passagens, sua mãe relata uma rara conversa com seu pai (eles são divorciados) na qual ele diz que nenhum tratamento terá sucesso enquanto Lia não aceitar seu problema e decidir, por ela mesma, se curar.

E esta é a chave de toda a questão nestes distúrbios. Se não existe aceitação e vontade por parte do paciente, qualquer esforço para ajudá-lo é em vão. Lia não se considera doente. Devido ao seu distúrbio, ela se vê sempre com sobrepeso, apesar de andar pela casa dos quarenta, e sempre que tenta ingerir algum alimento imagina toda a quantidade de gordura presente nele circulando por suas veias, fazendo dela – em suas próprias palavras – uma nojenta.

– Odeio quando você prefere passar fome. Odeio quando você corta sua pele e odeio quando você se afasta de nós. [diz a mãe]

– Eu odeio isso também. – sussurro. – Mas não consigo parar.

- Página 228/229

Lia é complexa. Não apenas se vê de forma distorcida como encara toda a realidade de um jeito único: ouve vozes, vê pessoas mortas, como Cassie, e se desliga de tudo, fazendo coisas como que mecanicamente. Este mundo alternativo trás para ela, contraditoriamente, algum refúgio das críticas e cobranças quanto sua alimentação, ao mesmo tempo que a perturbam o suficiente para que se afunde ainda mais em seus problemas, tentando fugir deles.

Quarenta quilos e trezentos gramas.

Eu poderia dizer que estou animada, mas seria mentira. O numero não importa. Se eu chegasse a 32, iria querer 29. Se eu pesasse 4,5 quilos, não ficaria feliz até chegar aos 2,25. O único número que seria suficiente é o 0. Zero quilos, zero vida, tamanho zero, zero duplo, zero e ponto. Zerado é sinônimo de estar pronto para tudo. Agora eu entendo.

- Página 213

Dois abraços na autora pela narrativa. Num primeiro momento ela lembra um pouco Estilhaça-me – apesar de Garotas de Vidro ter sido lançado originalmente primeiro, em 2009 – com o uso dos sobrescritos para demonstrar sentimentos que Lia quer ocultar até de si, ou algo que ela quer distorcer (ela diz, por exemplo: minha mãe, a Dra. Marrigan), e da maneira superlativa como ela retrata os sentimentos: rios de sangue, pele se esfacelando, coração pulando no peito. Mas Laurie Halse Anderson se sobressai pela forma como descreve o dia-a-dia de uma garota completamente perturbada, que distorce tudo a sua volta, e em grande parte para representar os efeitos que a falta de alimentação regular faz com seu organismo, e a percepção completamente equivocada que ela tem de quase tudo.

O recurso que mais me impressionou foi o uso, entre parênteses, da quantidade calórica (eu acho) de cada alimento que ela ingeria ou sonhava em ingerir. Para mim, este recurso mostrava toda a aflição pela qual ela passava a cada vez que pensava em comer, e, mesmo com fome, não conseguia fazê-lo. Era desesperador.

Acordo respirando terra. Tusso e cuspo os pedregulhos da minha boca, mas, quando inspiro o ar de novo, panos encharcados de lama enchem meus pulmões.

- Página 101

Brilhantemente narrado em primeira pessoa, este é um dos raros casos onde considero que era a ideal: caso a autora optasse pela terceira seria um erro. Ler Lia falando sobre si trás uma propriedade ímpar, pois podemos acompanhar seu sofrimento sob seu ponto de vista, e não pela visão de um narrador qualquer. Os ganhos em intimidade e introspecção são tremendos. E esta jornada está longe de ser um mar de rosas. Acompanhar seu dia-a-dia repleto de vontades e desejos que não podem ser satisfeitos chega a ser doloroso em alguns momentos. Se a autora queria passar uma mensagem, certamente conseguiu.

 

 

Garotas de Vidro (Wintergirls, 2009Tradução de Ana Paula Corradine, 2012) Laurie Halse Anderson – 272 páginas, ISBN 9788581630113,  Editora Novo Conceito.

{ A }

novo_conceito

60 comentários:

  1. Eu confesso, corri desse livro, preferi ler "A filha da minha mãe e eu", acho que prefiro qualquer coisa a ouvir pessoas falando sobre problemas alimentares porque parece que elas não entendem ou entendem demais...

    Eu passei minha adolescência inteira flertando perigosamente com distúrbios alimentares, é chato, difícil de controlar e sozinha eu acho que é impossível.

    É engraçado essa coisa de visão distorcida de si e a questão da falta de confiança, ninguém confia em mim quando o assunto é comida e até hoje vivo sobre vigilância cerrada, até minhas amigas vigiam se eu como ou não, embora isso irrite eu sei que é fundamental para o flerte não virar uma dança e me ajuda a não ficar um dia sem comer pq se eu ficar um dia eu fico 2, 3, 7 e ai não comer fica fácil e comer difícil.

    E sim, também convivi com uma amiga com anorexia e bulimia ela não flertava ela dançava loucamente com os distúrbios e foi uma convivência perturbadora.

    E[2], por fim, o paragrafo da pg. 213 é todo coerente com a realidade, não adianta, nunca vai está bom. Quando vc compreende isso já deu o primeiro passo para não cair no buraco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pandora, esse é um problema sério e complexo. É incrível como há uma distorção da imagem nesses casos, e é doloroso até mesmo acompanhar o processo. Gostei do livro, acho que a autora conseguiu captar bem cada nuance do problema, e concordo com você: sozinho é muito difícil sair dessa.

      Muito obrigado pelo comentário ;) Dois abraços.

      Excluir
  2. Pronto, tá aí.... me convenceu, quero ler esse livro. Eu achei que era um livro sobre fantasia também, eu não tinha ideia do que se tratava, andei lendo umas resenhas e descobri que era sobre os transtornos obsessivos e tals. Mas a sua resenha superou tudo. HAHA! Adorei o fato de você ter pesquisado sobre o assunto e ter trazido isso para a resenha, ficou muito interessante. Nunca conheci ninguém com esse problema, mas com certeza é bom saber mais sobre isso e acho que todos deveriam ler e saber da realidade que acontece bem em frente aos nossos olhos.

    Suas resenhas são INCRÍVEIS. Parabéns!

    Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ágata, o livro é muito bom mesmo, um dos melhores que li este ano. A leitura é tensa, mas esta é a intenção, para mostrar como é o dia-a-dia de quem sofre desses distúrbios. Vale muito a pena ler.

      Abraços ;)

      Excluir
  3. Li MUITAS resenhas a respeito deste livro, mas acredito que nenhuma soube interpretar a obra da forma como você interpretou. Da forma que outros blogs abordaram o livro, eu tive a impressão de se tratar de uma obra clichê com ares de demagogia, mas você me convenceu a ler este livro no futuro.

    Abraços

    Lu Tazinazzo
    http://aceitaumleite.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, o livro é muito bom. Li em algumas resenhas que o acharam confuso, mas se esquecem que, narrado em primeira pessoa, a confusão do narrador é a confusão da própria Lia. Se puder leia, acredito que vá gostar ;)

      Abraços.

      Excluir
  4. Garota de vidro é um livro que eu não posso perder a oportunidade der ler, me identifiquei com alguns fatos que você mencionou na resenha e agora eu necessito de ler esse livro.

    http://enfimshakespeare.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que muitas pessoas vão se enxergar - ao menos um pouquinho - em tudo que Lia passa. Serve de alerta? Sim, mas prefiro encarar ele como uma boa obra de ficção.

      Abraços.

      Excluir
  5. A resenha ficou ótima e o livro realmente parece muito bom... mas angustiante, não é? Parece um pouco o "Precisamos falar sobre o Kevin", mas ao invés de machucar os outros, a filha machuca a si mesma. O que é pior? Devastador...

    Acredito que o pior é saber, em ambos os casos, que não temos poder nenhum, como pais, sobre esses problemas. Eles surgem mesmo que eduquemos com todo o cuidado! Nós queríamos poder dirigir a vida dos filhos nos mínimos detalhes e mantê-los sempre a salvo. Mas não é possível e isso é uma das coisas mais difíceis da pãeternagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sharon, bastante angustiante mesmo - eu eu PRECISO ler o "Kevin" - é tenso acompanhar algumas passagens. E, sabe, acho que a posição dos pais é bastante difícil nestas situações, pois o que há para se fazer?

      Abraços.

      Excluir
  6. Nossa Luciano, se você gostou tanto assim esse deve ser um dos meus próximos livros...\o/..afinal confio no seu gosto...e fiquei me perguntando o quanto esse livro deve ser impactante. Gostei muito da resenha e vou procurar lê-lo o quanto antes.

    Beijokas Elis!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elis, o livro é muito bom, tenho certeza de que também vai gostar ;) Fico esperando a resenha.

      Beijos.

      Excluir
  7. COM CERTEZA vou ler esse livro. Anotei aqui aquela dica de livro que me deu, do autor H.P Lovecraft... vou adicioná-lo à minha wishlist.

    Abraço. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ágata, tenho certeza de que gostará de ambos, tanto deste Garotas de Vidro quanto dos livros do Lovecraft ;)

      Abraços.

      Excluir
  8. Vou colocar no skoob!
    Parece muito bom, vou dar uma olhadinha em trocas! :p
    Amei a resenha.
    Beijos

    Selene Blanchard
    Blanc – ModaeEu.blogspot.com – TEM PROMOÇÃO COM BlackBerry, E OUTRAS ESPECIAIS
    Espero sua visita!

    ResponderExcluir
  9. Pretendo ler esse livro e vejo que o tema que abrange é de grande polêmica nessa faixa etária. Os tópicos que abordou e as frases colocadas me apertaram o coração. Imagino a mãe vendo seu filho nesse estado. Gosto muito de suas resenhas.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O tema é mesmo de interesse geral, apesar de ficção a autora fez bastantes pesquisas para elaborar o livro. Também fiquei pensando na impotência dos pais ao verem seus filhos passarem por isso, deve ser horrível.

      Beijos.

      Excluir
  10. Os distúrbios alimentares são uma questão seríssima e é interessante e positivo que o livro aborde esse tema de forma tão apropriada, a narrativa em primeira pessoa é realmente a mais adequada porque permite explorar não só os pensamento mas os sentimentos mais profundos de alguém que sofre com esse problema tão sério e esse sofrimento é real tanto fisico quanto psicológico e atinge a todos ao redor. Um livro para ser lido e debatido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris, certamente, o livro aborda um tema importantíssimo, e o que mais me agrada é que a autora foi sempre muito lúcida quanto à questão, sem glamurizar nada. Gostei bastante, acho que todos deveriam lê-lo.

      Excluir
  11. Boa tarde, eu quero muito ler esse livro, me chamou muita atenção, porem não quero compra-lo você saberia algum site pra se baixa-lo online? Obrigada :3

    ResponderExcluir
  12. Queria muito ler o livro tomare que eu ganhe apesar de não gostar desses tipo de tema eu me interessei por este livro
    nocantodaestante.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "canto" o livro é muito bom, creio que quando lê-lo vai se surpreender ;)

      Excluir
  13. Luciano, Garotas de Vidro é o retrato de uma coisa real e mortalmente séria: anorexia e bulimia... É algo triste demais não conseguir parar, e o mais chocante é que existem vários sites ''Pró Ana'' e ''Pró Mia'' de meninas que acreditam que ambas as doenças são estilos de vida, onde elas discutem formas de emagrecer, de ficar sem comer e de vomitar. O livro aborda um tema delicado que deveria ser mais divulgado, discutido e trabalhado, pra que mais nenhuma menina morresse com um desses problemas. Tô louca pra ler o livro e fula da vida com essas doenças ;_;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniele, o livro trata muito bem do assunto, abordando os efeitos da doença no organismo e mesmo na percepção que a pessoa tem das coisas ao seu redor e de si mesmo. algumas vezes chega a ser angustiante, mas o livro foi habilmente escrito ;) Muito bom!

      Excluir
  14. Preciso muito ler esse livro! Vou fazer minha monografia sobre DA :)

    ResponderExcluir
  15. É muito bom saber que um livro que traz como tema transtornos alimentares consegue apresentar de forma clara e prudente o assunto.
    Este problema é realmente muito série e precisa ser tratado de tal forma.
    Acho importante que os autores se interessem por escrever sobre o assunto e que as Editoras tenham interesse de publicá-los pois é extremamente que os jovens tenham a consciência do quanto isto é grave.
    Parabéns pela resenha! Muito boa, de verdade!
    Um beijo ;*

    Juliana . Oliveira
    http://www.trocandoconceitos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Juliana, com certeza é muito bom que o assunto venha a tona e seja discutido no formato de um livro de ficção: assim um número maior de pessoas terá acesso a essa informação.

      Beijos.

      Excluir
  16. Um livro que quando lançou vi a capa e achei que se tratava de um livro sobrenatural, me enganei totalmente. Interessante o que se passa na cabeça de uma pessoa que sofre com anorexia e bulimia, é algo que só ela vê e se odeia. Precisa ler esse livro e ver com os olhos dessas pessoas que sofrem psicologicamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cinthia, também imaginei - pela capa - que se tratava de um livro de fantasia. Como me enganei, e como foi bom estar enganado!

      Excluir
  17. esse livro tem um tema bastante interessante, eu quero ler pra saber como o autor abordou esse tema dificilimo.

    ResponderExcluir
  18. andando pela livraria, se eu visse esse livro, pelo título, nunca olharia a sinopse... sempre procuro histórias de terror, ou com monstros de qualquer tipo, nunca drama, acho um saco. Mas essa resenha me deixou com vontade de ler, pelo trechos que você colocou realmente me parece muito bem explorada a visão do problema e como minha namorada às vezes tem uns surtos desses de não comer (embora não tenha nenhum problema sério) eu fico mais interessado ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jonathan, apesar de não ser seu gênero preferido, acho que você gostará de "Garotas de Vidro". É bastante esclarecedor em muitos pontos, creio que pode te dar uma mão.

      Excluir
  19. Eu amei a capa desse livro, é linda d+. è muito bom um livro que fale sobre esse assunto, eu mesmo já tive bulimia e é horrível, ainda mais agora que vivemos sobre a ditadura da magreza,é sobretudo um alerta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sil, o trabalho gráfico realmente merece destaque, muito bem feito.

      Excluir
  20. Oii
    Adorei a resenha..parabéns
    Já tinha lido algumas resenhas a respeito desse livro antes e fiquei muuito interessada em lê-lo...A capa sempre me deixa curiosa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Drih, muito obrigado. Tenho certeza de que gostará da leitura ;)

      Excluir
  21. Esse livro é maravilhoso e o seu ponto de vista sobre ele também!
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Gente, esse tema é super complicado! Mas, aparentemente, a autora conseguiu ser humana e sensível o bastante.
    Acredito que, apesar de ter uma ótima narração (como você disse), deva ser sufocante e dolorosa em alguns momentos.
    Excelente resenha, a propósito!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Paula, a autora abrdou o tema com maestria, e, sim, muitas passagens são aflitivas, e te dão uma sensação que - acredito - deve ser bem aproximada das que aqueles que sofrem com o problema possuem.

      Beijos.

      Excluir
  23. É a primeira resenha que leio sobre esse livro e acabo de colocá-lo na minha listinha. Adoro bons livros de ficção que tratam de temas que podem ser abordados do ponto de vista psicológico. Que me permitem atravessar as teorias, a ficção, as experiências reais. A resenha, a escrita nos trechos citados, do que o livro trata... acho que vai valer a pena.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laiane, creio que gostará muito de "Garotas de Vidro", o livro aborda o tema de uma maneira muito sábia, e a autora conduz as situaçõs supre bem ;)

      Beijos.

      Excluir
  24. Achei a resenha interessante, embora não goste deste tema. Vamos ver...

    ResponderExcluir
  25. Foi esse livro que inspirou a Aleska a promover a blogagem coletiva "Corpo de Mulher" que vai acontecer no próximo dia 21. Interessante um livro promover tantas ações. Fiquei interessada!!

    ResponderExcluir
  26. No inicio esse livro nao tinha me chamdo a atençao mas deposi que fiquei sabendo a estoria fiquei encantanda com a estoria apesar de não ser tão encantada assim. Gosto mt desses livros que retratam a realidade dos adolescentes, quer dizer, nao so de adolescentes, pq qlq pessoa hoje em dia pode passar por um problema como este.

    ResponderExcluir
  27. Gente, eu estou de cara, já vi esse livro várias vezes nas livrarias, mas sempre acho -vai saber por que - que é um livro meio que "A Dama na Água", tipo TODA vez que eu olho pra esse livro eu lembro d'A Dama na Água, acho que é por causa da construção da capa, cor e fotografia...
    Mas a verdade é que eu não fazia A MENOR ideia de que o tema era esse... Ás vezes eu me pergunto como isso pode ser tão presente na vida de algumas pessoas, tipo quando eu tô doente e vômito, acho horrível, me sinto fraca, sei lá... Mas aí me dou conta de que tenho problemas que parecem simplesmente patéticos aos olhos de outras pessoas. Gostaria de ler esse livro, toda informação é importante, e eu gostaria de poder fazer mais por jovens com esse distúrbio, cobra-se tanto de todo mundo hoje em dia, que esquecemos de cobrar que as pessoas sejam elas mesmas..
    Bem, sua resenha ficou INCRÍVEL. Estou seguindo seu blog, e A-M-E-I o lance de "Qual é o livro", não tipo, você não está entendendo, eu gostei DEMAIS.
    Bem, tem uma promoção rolando lá no meu blog também, então.. dá uma passadinha lá se puder.

    Beijos ;*
    Carol,
    http://caixa-a-a.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Garotas de Vidro aborda uma tema que eu como Psicóloga tem noção do que é, mas que eu jamais passei, acompanhei ou mesmo imagine como é na verdade...Por isso fico mto curiosa em ler o livro pra ver como o assunto é abordado e imaginar mais a cerca deste problema tão grave...e que infelizmente tem sido frequente nos dias de hj!

    Miquilis: Bruna Costenaro

    ResponderExcluir
  29. Legal, gosto de ler livros que abordam esse tema que é tão discutido nos dias atuais. Nós por vezes na nossa vida, em qualquer circunstância, também temos essas vozes que nos atormentam ... no caso da Lia , era uma assombração, mais na maioria dos nossos casos essas vozes que inclinam o nosso ser para o mal, são os fantasmas que nós mesmos criamos.

    ResponderExcluir
  30. Adorei a resenha.
    O tema do livro me chamou muito a atenção, eu gosto muito de ler livros que tratam de assuntos do tipo.
    E ele parece ser bem chocante, porém de maneira 'boa'.
    Ansiosa para lê-lo!

    ResponderExcluir
  31. Linda obra , tema bastante interessante , capa está maravilhosa !

    ResponderExcluir
  32. Okay, não dava a mínima para este livro, até ler a resenha e alguns trechos que me deixaram muuuuuuuuuuito curiosa, agora estou louca para ler.

    ResponderExcluir
  33. Achei lindas as resenhas que vi até agora sobre esse livro,gosto do termo abordado,bjs.

    ResponderExcluir
  34. Me apaixonei por esse livro, deve ser bem forte. Marcante.
    E a resenha então, coisa linda!

    :D

    beijos.
    Japa.

    ResponderExcluir
  35. Recebi varias indicações desse livro, estou curiosa para ler...

    ResponderExcluir
  36. Achei o livro da autora genial:transmitiu a mensagem a respeito de um tema delicado.
    Bjs

    ResponderExcluir
  37. Ai q llivro sofrido! =/
    Problemas alimentares ao extremo é tenso..
    Eu tenho problemas com apetite, mas como nem q seja
    só pela obrigação de se manter.
    Nem imagino entao, como deve ser 10x pior este cenario acima.

    ResponderExcluir
  38. Que tristes T.T
    Amei o tema do livro, MUITO interessante.

    ResponderExcluir
  39. Ai que sofrimento! Tái.. me convenceu.. to doida pra ler! Amei o blog

    ResponderExcluir
  40. Li a resenha desse livro em outro e que porcaria é a resenha lá comparada a sua. Acabei tendo que pesquisar uma nova resenha e caindo aqui no sue blog.

    Agora sim você me apresentou argumentos convicentes a comprar o livro e me aprofundar em um tema tão complexo como a anorexia (porque não a bulemia).

    Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir

Olá, seu comentário é muito importante para nós.

Nenhum comentário aqui publicado sofre qualquer tipo de edição e/ou manipulação, porém o autor do blog se reserva o direito de excluir todo e qualquer comentário que apresente temática ofensiva, palavras de baixo calão, e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação racial, estando assim em desconformidade com nossa Política de Privacidade.